Pesquisar este blog

Atividade Projeto Primavera Lista de Palavras e Formação de Frases

Atividade Lista de palavras e frases Projeto Primavera

Tudo bem, queridos professores? 
Esta é a produção do dia para auxiliar no seu Projeto Primavera em turmas de alfabetização. Vamos trabalhar com pesquisa, lista de palavras e formação de frases.
Atividade Projeto Primavera Lista de Palavras e Formação de Frases
Os estudantes deverão fazer uma busca por nomes de flores , escolher e escrever 10.
Você pode dificultar um pouco pedindo que a lista seja feita em ordem alfabética.
Em seguida a criança escolherá o nome de 3 flores e formará frases.


Proposta de atividade Escrita Espontânea na Alfabetização

Alfabetização Atividade de Escrita Espontânea

É sabido de todo professor alfabetizador que a escrita espontânea é uma excelente procedimento pedagógico não apenas para avaliação, mas para  acompanhamento do processo de aprendizagem da criança.

De acordo com Sara Mourão Monteiro:

...a escrita espontânea, além de fundamentar o repertório de estratégias pedagógicas, contribui, de forma significativa e geral, na definição da prática docente de alfabetização.
Posto isso estamos trazendo para você uma proposta  de atividade para que as crianças produzam espontaneamente textos que já sabem de memória.
Proposta de atividade Escrita Espontânea na Alfabetização
Podem ser quadrinhas, cantigas, músicas, poesias, contos, etc.

Cabe ao professor envolver a turma das produções e valorizar a escrita de cada um.
Sugerimos a criação de um mural com as produções finais bem como leitura de cada texto pelo produtor.

Coletânea de Aula de Artes com Reciclagem

14 Planos de Aula sobre Artes e Reciclagem

Alô professores do meu Brasil!

Voltamos com aquela novidade maravilhosa que enche os olhos e a cachola de ideias para por em prática nas nossas salas de aula.

Encontramos nas pesquisas rotineiras uma coleção de aulas maravilhosas para trabalhar com reciclagem dentro da disciplina de artes.


Coletânea de Aula de Artes com Reciclagem


A coletânea que tem por título LIXO EXTRAORDINÁRIO: possibilidades artísticas a partir da reciclagem,  reúne  uma série de 14 excelentes aulas que vão fazer a alegria da criançada.

ACESSE AGORA A COLETÂNEA DE PLANOS DE AULAS- LIXO EXTRAORDINÁRIO: possibilidades artísticas a partir da reciclagem

As culturas do Escrito Entrevista de Emília Ferreiro

Neste trecho de entrevista ao Canal Nova Escola para a série Grandes Diálogos, Emília Ferreiro fala sobre seu livro " O INGRESSO NA ESCRITA E NAS CULTURAS DO ESCRITO" e sobre a cisão entre Alfabetização e Letramento

As culturas do Escrito  Entrevista de Emília Ferreiro

SOBRE O TÍTULO DE SEU LIVRO:  O INGRESSO NA ESCRITA E NAS CULTURA DO ESCRITO 

Entrevistadora: O que você quer dizer com este título? E de que forma ele se relaciona com a ideia de separar alfabetização de letramento?

Emília Ferreiro: Por que o título está centrado nas culturas do escrito, no plural. Em primeiro lugar para recordar, por que é importante recordar que a escrita é produto histórico de culturas urbanas. Que foi inventada de forma independente em quatro,lugares diferentes, até cinco, mas em quatro de maneira indiscutível que são a Mesopotâmia, China, Vale do Nilo e a zona Maia neste continente latino americano e o quinto possível no Vale Limbus, na Índia . Algumas dessas escritas foram mais exitosas que outras, as mais mais exitosas foram as que sobreviveram mais tempo e algumas dessas sobrevivem até nossos dias. E tiveram grande impacto em outros povos. E essas duas escritas que sobrevivem até nossos dias são a escrita que se originou na Mesopotâmia e a escrita que se originou na China. São sistemas radicalmente diferentes entre si. A escrita chinesa se manteve durante séculos fiel às suas origens, teve grande influência na  Ásia , se pode dizer que funcionou na Ásia como a latina na Europa como escrita de referência e teve enorme impacto no Japão e na Coréia e é uma escrita que atende muito ao significado e pouco à sonoridade. A outra escrita exitosa, que podemos dizer que sobrevive até nossos dias se origina na Mesopotâmia, mas transformando-se enormemente ao longo dos séculos porque cada povo que a adotou foi transformando-a até terminar sendo as escritas alfabético-consonânticas das culturas árabes ou nosso alfabeto latino. E se transformou radicalmente, teve que se transformar radicalmente porque atende de preferência, á sonoridade e só marginalmente aos significados, mas atende aos significados. Então, algumas histórias da escritas são tão etnocentristas que  não falam na China. Falam na evolução da escrita mesopotâmica, do invento dos gregos e logo dos romanos e depois há uma capítulo sobre a China que parece ser uma anomalia. Agora, uma anomalia utilizada por 1 bilhão e 360 milhões de indivíduos é uma anomalia curiosa ( pelo menos é o que podemos dizer, não é?).  Então, quando se leva a sério a história da escrita como nos permitem fazer hoje em dia, com contribuições importantíssimas de historiadores etnógrafos, epigrafistas, um monte de profissões que têm contribuído para a reflexão e para recentrar nosso conhecimento a respeito da história da escrita. Nos damos conta que a escrita não é simplesmente um objeto, um instrumento, não é como uma colher ou a roda é muito mais que isso. É um objeto cultural permeado pelos valores de cada grupo cultural, pelos valores que cada grupo cultural deposita nela.Sem a cultura não haveria as sagradas escrituras, e as religiões, nos livros, nos apresentam as sagradas escrituras que são livros escritos, porém com tal valor cultural agregado que se convertem em objetos absolutamente sagrados. Então, compreender que a cultura não é apenas um instrumento é essencial para entender o título deste livro. E é difícil com poucos minutos que nos restam explicar um pouco mais desse assunto, mas já tenho tudo isso escrito e se pode ler, que não é apenas um instrumento, não é apenas um código e um código defeituoso, mas é a maneira de representar a língua oral que certas culturas fabricaram e conseguiram transmitir que podemos utilizar como se fosse um instrumento uma vez que dominamos, é outra coisa. Mas caracterizá-lo como instrumento é uma caracterização tão frágil e tão enganosa que nos leva a certas dicotomias que não creio que sejam muito úteis. E então, além das considerações históricas este livro fala sobre as culturas do escrito, no plural , porque o segundo capítulo tem como tema algo que na Europa Contemporânea é de grande urgência em termos de política educativa. No momento em que a Europa recebe uma grande quantidade de imigrantes, em nossos dias já não é, mas no momento em que eles chegaram uma grande quantidade, milhares de crianças chegaram ás escolas italianas, francesas, alemãs, portuguesas, espanholas que falavam outras línguas e não a língua do país e que em muitos casos vinham de culturas escritas diferentes em particular os que vinham de países árabes. Que fazer com essa quantidade de imigrantes que chegavam? A primeira resposta das melhores educadoras europeias e há excelentes foi: " Não estou preparada para isso, jamais na minha formação tive que enfrentar esse tipo de problema",  " Não sabemos como fazer, mas temos que aprender a fazer". E aprenderam até chegar a experiências fantásticas como uma que ocorre no norte da Itália. E no segundo capítulo se fala explicitamente de experiências de sala de aula em que a diversidade de línguas e de escritas foi utilizada didaticamente. Converter a dificuldade em uma vantagem pedagógica me parece uma das coisas maravilhosas que se pode ver nessas escolas. Então, nesse segundo capítulo encontramos crianças de 4 e 5 anos que tem em suas bibliotecas de aula livros escritos em diversas línguas e com diversos sistemas de escrita e comparam esse material e comentam a respeito dele. E a professora lê em voz alta , em outras línguas quanto domina, poque muitas também são imigrantes e convidam aos pais de família a trazerem livro dessas outras línguas e os lê em voz alta. As reflexões que essas crianças são capazes de fazer são absolutamente extraordinárias, a reflexão metalinguística chega a um estado de fascinação total. E quando se enfrenta o problema da tradução se enfrenta o problema de saber se este livro traduzido é o mesmo livro. Se o personagem traduzido é o mesmo personagem e se a história segue sendo a mesma depois de um processo de tradução. As professoras não esperavam que as crianças fossem capazes de refletir sobre a tradução na pré-escola e ocorre que assumindo a diversidade linguística e da escrita, se registrou que, sim, as crianças são capazes de refletir sobre a tradução nessa idade. Então, eu digo que todavia precisamos descobrir quem são os de 4 e 5 anos e as possibilidades de reflexão que têm. Então, isso é a reflexão plural do livro. 



Jogo Pedagógico Monta Palavras Alfabetização PDF

Jogo de alfabetização com 72 palavras PDF

Este é um jogo muito bem aceito por crianças em fase de alfabetização. É desafiador para elas tentar montar os nomes das figuras, além de muito divertido
Você pode utilizar em jogos competitivos organizando os alunos em grupos para que montem, em determinado tempo, o maior número de palavras possível ou em atividades individuais onde as crianças irão montar as palavras e posteriormente escrever os nomes das figuras no caderno

Jogo Pedagógico Monta Palavras Alfabetização PDF


É claro que o docente está livre para criar outras formas de uso.Este material é organizado em PDF e é um de nossos arquivos de venda que ajudam a manter o blog


Jogo Pedagógico Monta Palavras Alfabetização PDF
Caso queira comprar utilize um dos botões acima.

Você pode também me contatar no zap e comprar pelo depósito em conta ou transferência eletrônica

Meu muito obrigada pela visita .

Desenho Infantil para trabalhar o conteúdo As Plantas

Atividade Diário de Um Pé de Feijão e Desenho Educativo para a área de Ciências Naturais


Professores e professoras do Brasil!

Vou mostrar para vocês hoje um desenho educativo muito legal para trabalhar o conteúdo AS PLANTAS e por conseguinte anexar ao projeto Dia da Árvore. é INTERESSNTÍSSIMO também para quem está em andamento com o Projeto Horta na Escola.

Do canal do You Tube trouxemos a sinopse da série
O Diário de Mika é uma série de animação que conta a história de Mikaela (Mika), uma menina de 4 anos muito curiosa e carismática que está aprendendo a lidar com todas as novidades que o mundo tem para oferecer. A cada acontecimento que surge em sua vida, ela corre até seu quarto e, por meio de desenhos feitos em seu tablet, conta o que está lhe acontecendo para seus amigos brinquedos que ganham vida em sua presença. Com a ajuda deles, Mika vai investigar, aprender e descobrir um monte de coisas novas em suas aventuras!

Atividade Diário de Um Pé de Feijão e Desenho Educativo para a área de Ciências Naturais

Abaixo incorporamos da plataforma You Tube Canal Diário da Mika o vídeo O PÉ DE FEIJÃO e vamos deixar algumas sugestões de trabalho para vocês.



Após ver o desenho o professor poderá:

  • Pedir que os alunos realizem produção de texto informativo sobre "COMO NASCEM AS PLANTAS"
  • Solicitar que façam um mural em grupo ilustrando as partes da planta
  • Realizar a experiência do pé de feijão no algodão observando e fazendo as anotações diárias sobre a evolução.( PARA ISSO CRIE UM DIÁRIO.)
  • Realizar plantio de mudas de árvores na comunidade
  • Realizar plantio de sementes a horta da escola.

Atividade Diário de Um Pé de Feijão e Desenho Educativo para a área de Ciências Naturais
Acima temos uma arquivo que pode ser utilizado como Diário do Pé de Feijão. 
Excelente para trabalhar o gênero textual DIÁRIO.

Espero ter ajudado.
Deixe seu comentário

Jogos e Brincadeiras Incríveis para a Semana da Criança

Esta chegando a semana da criança e precisamos nos preparar para o atendimento classe A aos nossos pequenos. 

Para iniciar nosso planejamento pensamos naquilo que não pode faltar que é a DIVERSÃO EM FORMA DE JOGOS E BRINCADEIRAS. 
Jogos e Brincadeiras Incríveis para a Semana da Criança
Sem mais delongas,,, Vamos a que interessa.

De início queremos apresentar o site Mapa do Brincar que reúne brincadeiras populares maravilhosas que vão te fazer recordar a infância . Na Sessão BRINCADEIRAS você vai encontrar Iustração e descrição de alguns jogos e brincadeiras que certamente fizeram parte de sua vida de criança.

Bola de Gude, amarelinha , pião, roda, esconder, etc

Você pode ver ainda Brincadeiras que as crianças amam em cada uma das 5 Regiões do Brasil

Outra dica importante para ficar por dentro do universo da brincadeira é visitar o Site Território do Brincar. Por lá você verá:

  • PRODUÇÕES CULTURAIS
  • LONGA-METRAGEM
  • BIBLIOTECA
  • BRINCADEIRAS
  • VÍDEOS
  • SÉRIE INFANTIL
Você pode ainda, baixar o livro Território do Brincar.

De acordo com o site EBC:

O livro traz textos escritos pelos conselheiros e equipe do Projeto, a saber: Adriana Friedmann, Ana Claudia Arruda Leite, Ana Lúcia Vilella, David Reeks, Fernanda Heinz Figueiredo, Gandhy Piorsky, Luiza Lameirão, Marcos Ferreira Santos, Renata Meirelles, Sandra Eckschmidt, Soraia Chung Saura e Ute Cramer. A publicação é composta pelos DVDs “Território do Brincar: diálogo com escolas” e “Coletâneas de Curtas”.

Uma das citações que achei muito interessantes no livro, e com a qual concordo transcrevi abaixo:
“O Território do Brincar trouxe algo grandioso, que é mostrar o que o Brasil... este Brasilzão... tem como brincadeira. O que as crianças fazem, do que elas brincam, que lugar é esse!”

BAIXE AGORA O LIVRO TERRITÓRIO DO BRINCAR  

Espero que vocês tenham gostado das sugestões de jogos e brincadeiras para a semana da criança.
Deixe seu comentário e sugestões.

Sugestão de história Infantil A Primavera da Lagarta de Ruth Rocha

A Primavera da lagarta é um livro infantil escrito por Ruth Rocha  e ilustrado por Madalena Elek


No site da autora você encontra a sinopse que diz:
Depois de uma reunião debaixo da bananeira da floresta, a formiga, o louva-a-deus, o camaleão (que vivia mudando de opinião), a joaninha, a lagartixa, a libélula, o gafanhoto, o caracol, a aranha e a cigarra (ufa, quanta gente!, ou melhor, quanto bicho!), decidiram caçar a lagarta, porque ela comia folhas demais (como se eles não comessem nada...). Além disso, eles achavam a lagarta muito feia (como se eles fossem muito lindos...).

O preço varia entre 24 e 39 reais e vale cada centavo.

É importante visitar o site da autora para saber mais sobre sua vida e obra. Certamente as crianças vão amar saber mais sobre Ruth Rocha
A PRIMAVERA DA LAGARTA PROJETO PRIMAVERA
Adicionar legenda
Uma história encantadora. Vale a pena conferir

Encontramos um vídeo com a HISTÓRIA A Primavera da Lagarta narrada e achamos que você poderá realizar sua compra logo que tenha ouvido a encantadora contação de história.
Seguimos a sugestão do site Palavra Cantada

Ele faz parte do CD Palavra Cantada - Mil Pássaros - Sete Histórias de Ruth Rocha que recebeu 3 prêmios Sharp

E não podia ser diferente, né?
Ruth Rocha e Palavra Cantada é sucesso puro

4 Super Planos de Aula Sobre Primavera

Planos de Aula para o Projeto Primavera

Bem-vindo(a) professor(a):

Cheguei com novidades para nosso Projeto Primavera. Já temos sugestões de atividades, mas faltava aquele apoio maravilhoso dos professores do portal MEC. Aqueles mesmos que nos enchem de orgulho e nos presenteia com excelentes estratégias metodológicas.
Planos de Aula para o Projeto Primavera

Como de costume fizemos aquela seleção maravilhosa dentro do tema proposto. Veja abaixo:



VEJA TAMBÉM:

Atividade Alfabetização Estações do Ano -Projeto Primavera

Atividade Sílabas Complexas GE e GI Dona Girafa

Atividade Alfabetização Sílaba Ge e Gi


Uma atividade simples de completar palavras e lê-las. Com ela vamos trabalhar as sílabas GE e GI .
De início vamos cantar a música Dona Girafa e procurar e pintar no trecho da letra o nome GIRAFA para então, em seguida tentar encaixar uma das sílabas ( ge ou gi) nas palavras para completá-las corretamente
Atividade Sílabas Complexas GE e GI Dona Girafa
Espero que seus alunos gostem e você também.
Se tiver sugestões deixe seu comentário.